Buscar

Inovação tecnológica beneficia as famílias da Comunidade Olho D´Agua

20 famílias da comunidade são beneficiadas com tratorito propiciando autonomia, melhores condições de trabalho e renda, especialmente, para as mulheres quebradeiras de coco babaçu

As famílias da Comunidade Olho D´agua, do município de São Miguel, há anos produzem hortaliças agroecológicas, nas áreas de babaçuais, como meio de garantir uma alimentação diversificada e saudável  e geração de renda.

Nesse final de semana, as famílias foram beneficiados com um tratorito com encanteirador  doado pela APA-TO. E ocorreu a primeira capacitação para o seu manuseio, envolvendo as mulheres quebradeiras de coco, os agricultores, assim como  os jovens e as jovens da comunidade. O tratorito é um tipo de trator de pequeno porte adequado às condições da agricultura familiar camponesa, uma vez que apresenta um valor mais acessível, baixo custo de manutenção, fácil manuseio e porte adequado para trabalhar em pequenas áreas.

A chegada do tratorito na comunidade beneficiou todas as famílias e, especialmente, as mulheres quebradeiras de coco, gerando autonomia no preparo dos canteiros das hortas e melhoria nas condições de trabalho. O preparo manual do canteiro é uma atividade que demanda tempo e esforço físico desgastante.

Segundo, a quebradeira de coco Maria Silvânia  “Foi muito bom  o tratorito chegar na nossa comunidade. Antigamente a gente trabalhava manual, cavava o canteiro com enxada e a gente passava três dias para fazer 3 canteiros e agora a gente faz 6 canteiros só na manhã e no ponto de plantar na parte da tarde. E antes, precisava da ajuda dos homens pra poder fazer o canteiro, pois com o chã muito duro, a gente não tinha força para fazer os canteiros da horta. E agora, a gente mesmo aprendeu a manusear o tratorito, isso foi muito importante porque a gente não precisa ficar esperando mais o marido para fazer o canteiro para gente”.

Outro aspecto levantado pelas famílias é que com a possibilidade de construir mais canteiros, isso impactará na geração de renda como comenta a quebradeira de coco Ivanilde da Paixão. “Com o tratorito, a nossa renda vai melhorar, porque ao invés de fazer um só canteiro, vamos poder fazer dois, três, quatro canteiros e também vamos fazer um fundo rotativo solidário. Vamos pagar o valor do tratorito para poder depois esse dinheiro ficar rodando entre as famílias da comunidade, para fazer uma estufa que daqui a pouco iremos precisar, no período das chuvas. Hoje, não temos condições de fazer as estufas, mas com esse dinheiro,  no ano que vem vamos poder fazer a estufa com o dinheiro do fundo”.

A partir do recebimento do tratorito, as família da comunidade resolveram criar um fundo rotativo solidário, como uma alternativa que possibilita o investimento em outras atividades e estruturas necessárias para a melhoria das atividades produtivas agroecológicas. É considerado um fundo porque mobiliza recursos financeiros ou outros recursos, é rotativo, porque ele gira e beneficia todas as famílias envolvidas e é solidário, porque as famílias se comprometem a ajudar o próximo. As regras de funcionamento e gestão do fundo estão sendo discutidas e construídas coletivamente pelas famílias da comunidade.

 

Clique aqui e veja o vídeo do trabalho desenvolvido:

 

 



Misereor Ford Foundation TFCA Inter America Foundation FBB Cese Brazil Foundation Fundo Amazônia PPP-Ecos Caritas Associação Nacional de Agroecologia Rede Cerrado FAOR Abong DoDesign-s Design & Marketing